terça-feira, 23 de maio de 2017

Diretas Já! Com LULA Presidente!

Nas eleições presidenciais de 89, por míseros 0,67% de votos, Lula tirara a chance de Brizola disputar com Collor o segundo turno. A direita festejava, a derrota de Lula era dada como certa.

Indagado sobre quem apoiaria no segundo turno, Brizola parafrasiando Pinheiro Machado, disse: "A Política é a arte de engolir sapos".... e emendou: "Não seria fascinante fazer essa elite engolir o Lula, esse sapo barbudo? Vamos no mal menor, pelo menos".

Brizola não titubiou e recebeu Lula em seu apartamento na avenida Atlântica, e sem exigir nada em troca, se não a inclusão dos CIEPs no programa de governo, apoiou Lula. E conta correligionários seus, que se empenhou mais na campanha do Lula, do que na sua própria quando do 1º turno. A ponto, que a comemoração da ida de Lula para o segundo turno no lugar de Brizola, diante do apoio e o engajamento do Brizola, se tornou uma enorme dor de cabeça para a candidatura Collor. O preferido da oligarquia venceu por uma diferença de apenas 5,71%, ficando Collor com 49,94%, contra 44,23% do Lula.  


Brizola como em outros tantos lances de grandeza de sua vida pública prestada ao Brasil, ao apoiar naquele momento Lula, mais uma vez, colocava o interesse do Brasil, acima de seus ressentimentos pessoais, se é que havia algo de pessoal, posto que sua candidatura era o próprio prolongamento de todo um projeto político gestado desde Vargas, e mesmo antes. Brizola tinha viva consciência que Lula era uma criação do Golbery Couto e Silva para esvaziar o Trabalhismo e solapar sua candidatura, já não basta-se antes, terem lhe roubado a histórica sigla do PTB.

O PT e o próprio Lula, nasce com esse DNA liberal, um partido de fissura, criado para dividir. Tanto no aspecto político, como nas relações de trabalho, criando tensões com o patronato, jogando a classe proletária contra os empresários, que assim, se mostram mais sucetíveis de serem cooptados por instituições estrangeiras e aderirem a posições políticas mais radicais, mais liberais.

No que pese os defeitos congênitos do Lula e do PT, não há como fechar os olhos que dos males, e principalmente nesse cenário apocaliptico que atualmente vivenciamos, o PT com todo seu liberalismo se apresenta como um mal menor. O PT governa fazendo concessões ao capital internacional, PSDB, DEMO, PSC, e congêneres.... puro e simplesmente entregam, sem o menor constrangimento, tudo para agiotagem internacional.  Caso bem ilustrativo nesse sentido foi a alteração da lei que retirou a participação da Petrobrás como operadora única do Pré-Sal:

Diante das pressões para mudança do padrão. O PT costurou uma proposta que reduzia a 30% a obrigação de participação mínima da Petrobrás nos campos do pré-sal.

O projeto de lei de autoria do senador José Serra do PSDB de SP, previa a completa desobrigação da Petrobrás na exploração de petróleo na faixa do pré-sal brasileiro. E assim foi feito.

Veja que, no que pese, fosse a proposta do PT ruim, a do PSDB e que foi aprovada, foi infinitamente pior e danosa ao interesse nacional.

Como esse, há inúmeros outros casos. Basta ver que em poucos meses de des-governo Temer, se destruiu setores nacionais altamente estratégicos: indústria naval, submarino nuclear, indústria bélica, setor de engenharia nacional, liberalização generalizada de vendas de terras para estrangeiros, proposta de entrega da base de Alcântara, cunhagem da moeda por bancos centrais estrangeiros..... cada um, de causar mais calafrio do que o outro, e são tantos, que inviabilizarão o país com o tempo.


O período Lula-Dilma, no que pese ter impingindo uma política majoritariamente liberal, contudo, fez avançar setores estratégicos, e avançou-se muito. E se esse que vos fala, lhes parecer de pouco apresso, eis oque registrou o Profº Adriano Benayon:

“Em artigo de 15.03.2016 -  A  Lava jato quer tirar Brasil do BRICS e CELAC – Beto Almeida observa que os governos petistas retomaram políticas valiosas para a economia e a defesa nacionais,  que remontam a medidas do presidente Geisel (1974-1978):  apoio às empresas de engenharia nacionais, que – graças ao poder de compra de Petrobrás - desenvolveram capacidade competitiva em obras no exterior.” - Benayon.

“fazendo justiça a Lula, no primeiro mandato, tomou medidas favoráveis à economia e deteve temporariamente a destruição da Petrobrás, encetada por FHC, desde a Lei 9.478/1997 e a infiltração de agentes de interesses externos na na ANP e na estatal.” - Benayon.

“Lula chegou a pôr em posições executivas da Petrobrás, técnicos, como Guilherme Estrella e Ildo Sauer, que dirigiram as descobertas das grandiosas reservas do pré-sal, além de ter conseguido aprovar a Lei que instituiu regime especial para a exploração dessas reservas.” - Benayon.

E observa as razões que estão por trás do processo de desestabilização do PT:

“ [...] a desestabilização do PT decorre de coisas como estas:

1) dos ganhos que os mentores do golpe pretendem auferir, atribuindo só à mais recente administração desgraças que decorrem principalmente de deformações estruturais gestadas ao longo dos últimos 62 anos;

2) ter feito investimentos em áreas estratégicas, como petróleo, defesa, apoiado empresas brasileiras em obras e no exterior e se aproximado dos BRICS.” - Benayon.

Não guardamos ilusões quanto a natureza liberal do PT. O PT é um partido liberal, e sofre de todos os vícios atualmente presentes em outros partidos. A desgraça, é que a oposição é pior, muito pior do que o PT. E o caso, é que no atual momento, de depredação do país, a candidatura do Lula se apresenta como única via factível, com possibilidades reais de vitória e de estancar a sangria, para que assim possamos construir uma alternativa que verdadeiramente suplante o PT.

Há que ponderar, que concomitante ao desmonte do Estado e das forças produtivas do Brasil, o Golpe de 2016 visa por todas as formas inviabilizar o Lula como candidato, sem o qual, nenhum outro teria chances reais de vitória, como demonstram as pesquisas de opinião. Nomes, como o Ciro, não é capaz de se fazer chegar a massa, que guarda por Lula uma empatia poucas vezes alcançadas por um político. A considerar ainda, a dubiedade das posições do Ciro, até pouco tempo um paladino do liberalismo, que mudou o discurso repentinamente, além dele ter como "patrão"(?) Steinbrush, dono da CSN (privatizada), o mesmo que declarou que o trabalhador poderia almoçar com uma mão e trabalhar com a outra....  e que por esses e diversos outros indícios, age como cavalo-de-tróia, com fim de arrancar votos da base eleitoral do Lula, a exemplo do próprio Lula com o Brizola em 89.

Nós castilhistas, fiés a Brizola, não esquecemos as traições que várias vezes cometeu o PT contra o Brizola, muitas vezes agindo como cães amestrados da oligarquia financeira-internacional contra o Brasil. Porém, nosso senso de responsabilidade para com o país, nos impele deixar de lado as injúrias, as marcas das traições e contemplar um valor mais caro para nós nacionalistas, a existência do Brasil como País, que se encontra seriamente ameaçado. Recordamos as diretrizes traçadas por Brizola ao romper com o PT, pouco mais de um mês antes de vir a falecer: “Nem alinhamento automático, nem oposição sistemática”. Assim, como ao menos nesse momento, temos que engolir o sapo-barbudo. Faremos a oligarquia engolir, novamente também! Para que morram de indigestão!

DIRETAS JÁ! 
Com LULA Presidente!


Conselho Nacionalista


Artigos Relacionados:

Vida e Obra de Um Mito - Leonel Brizola.

O Socialismo Moreno de Brizola.

O Farroupilha Leonel Brizola.


3 comentários:

  1. .. CERTAMENTE LULA APRENDEU COM O VELHO CASTILHISTA BRIZOLA A ENGOLIR SAPOS.. NACIONALISMO.. O BRASIL TEM SEDE, MAS O BRASIL AINDA MATA A SUA SEDE COM O FEL DO NEO-LIBERALISMO ANTI-NACIONAL, OPRESSOR E ENTREGUISTA..

    ResponderExcluir
  2. não entendi esse símblo Fascista atrás do símbolo Castilhista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O fascio antes de ser adotado por mussolini era, e ainda é, simbolo do positivismo, como de uma autoridade central, oriundo da tradição romana, não por acaso ainda hoje adotado pela presidência francesa, bem como pelo senado dos EUA e por outros Estados.

      Excluir