terça-feira, 20 de setembro de 2011

O Deturpamento Ideológico da Revolução Farroupilha

Curioso,  como uma infecunda minoria, que se arvoram descendentes de imigrantes, por desconhecimento ou má fé mesmo deturpam cinicamente a Revolução Farroupilha tomando-a como marco de um pseudo-movimento separatista. A Revolução Farroupilha nunca foi propriamente separatista, e sim Federalista. Defendiam posições nacionalistas, de cunho liberal (liberais-radicais, não confundir com o atual liberalismo), contra a ála conservadora pró-portuguesa(Caramurus) que defendiam os interesses dos portugueses remanescentes no Brasil contra os brasileiros. E foram esses mesmos imigrantes que apoiaram os "caramurus".

Vários jornais de imigrantes da época, convocavam os seus, para lutarem ao lado do imperador que os tinha trazido para o Brasil. E assim lutarem contra:

"um bando de índios selvagens que querem tomar as nossas terras e libertar os negros".

De São Leopoldo, advinha o abastecimento do mercado de Porto Alegre. Ou seja, quando sobrevem a Revolução, a colônia alemã mantém suprida com alimentos a capital da província, que luta pelo império.

Quanto a essência federalista do movimento é bem claro Teixeira Nunes:

" Proclamando a Independência de Santa Catarina, não penseis que isto afetará os interesses do Brasil, do solo sagrado dos brasileiros, pois que a República Rio Grandense, conscienciosa de sua dignidade, do espírito da grande maioria dos brasileiros e da honrosa missão que lhe foi confiada, não tem tanto a peito, quanto a federação aos estados seus irmãos."

No Manifesto da República Rio-Grandense assinado por Bento Gonçalves e Domingos José de Almeida e lançado em 29 de Agosto de 1838 em Piratini, igualmente melhor esclarece as causas e os objetivos da Revolução Farroupilha:

"....Um só recurso nos restava, um único meio se oferecia à nossa salvação, e este recurso e este único meio era a nossa independência política e o sistema republicano (...) os Rio-grandenses reunidos às suas municipalidades solenemente proclamaram e juraram a sua independência política debaixo dos auspícios do sistema republicano, dispostos todavia a federarem-se, quando nisso se acorde, às províncias IRMÃS que venham a adotar o mesmo sistema."
 
E se ainda resta alguma ponta de dúvida quanto ao caráter essencialmente nacional da Revolução basta relembrarmos as palavras de Canabarro sobre a hípótese de uma eventual ingerência externa pelos castelhanos:
 
"....assinaremos a paz com império com o sangue do primeiro castelhano que cruzar a fronteira."

Também não é demais lembrar que o General Netto uma dos maiores expoentes da Revolução já em avançada idade veio falecer após defender o Brasil com todo seu regimento durante a Guerra do Paraguai.

Agora vejam que piada.... uma infecunda minoria, por aí, que se dizem descendentes de imigrantes se colocam hoje como portadores da tradição farroupilha!!!! Quando esses foram ferozes opositores.

Quando em verdade, fomos nós castilhistas que tornamos viva a Revolução Farroupilha, quando essa já era uma cendelha esquecida sob as cinzas da história, é quando Júlio de Castilhos evoca nossas tradições republicanas, fazendo publicar no jornal A Federação datas comemorativas em memória desse movimento republicano e federalista passando então a oficializar essas datas cívicas no calendário do Estado.

E é sempre de bom aviltre reconhecer na Revolução Farroupilha um dos mais destacados movimentos nacionalistas já tidos no Brasil em defesa dos interesses brasileiros contra os interesses portugueses remanescentes no Brasil (caramurus), que virá se acirrar justamente com o castilhismo e no restante do Brasil com oque se chamou de "jacobinos" em referência ao caráter radicalmente nacionalista, militarista e anti-lusitano, ulteriormente chamado de "florianista". No melhor das tradições de "Sentinelas do Brasil" forjado na contestação ao castelhano e na defesa de nossas fronteiras ao sul.

2 comentários:

  1. Poderias me explicar o motivo de Bento Gonçalves se dispor a federar o Uruguai, além de Entre-Rios ao Brasil?
    Acredito que houve interpretação errônea da tua parte em interpretar um termo usado há quase 200 anos com uma visão atual. Naquele termo não havia "confederação", logo, Bento Gonçalves e os demais líderes farrapos (há uma diferença, tu deves saber, entre farrapos e farroupilhas) usaram o termo "federação" no sentido de "confederação", mas, como este termo não existia, historiadores atuais deturpam o significado empregado durante a Guerra dos Farrapos.

    ResponderExcluir
  2. Como não havia o termo "Confederação"? A Confederação do Equador, que assim se autodesignava é de 1824m anterior a Revolução Farroupilha.

    ResponderExcluir