terça-feira, 17 de novembro de 2009

O Anti-Getulismo de Jô Soares e Rubem Fonseca autor do livro "Agosto".

Os aspectos (pseudo) históricos sobre Vargas da obra do Jô são similares aos do livro "Agosto", do escritor Rubem Fonseca que, a pretexto de desenvolver a trama romanesca, entre os dias 5 e 24 desse fatídico mês do ano de 1954, mostrou seu fanatismo anti-Getúlio, também baseado em matérias da Tribuna da Imprensa, jornal que na época era propriedade do jornalista Carlos Lacerda, sabidamente figadal inimigo de Vargas.
Em 14 de abril de 1996, o Jornal do Brasil anunciou a nova obra de Jô Soares, aduzindo "que o autor compartilhou segredos com o amigo Rubem Fonseca". A Folha de S.Paulo de 3 de dezembro de 1998, em matéria assinada por José Geraldo Couto, da Equipe de Articulistas, diz que "Fonseca está ligado - como padrinho, consultor ou incentivador - à carreira de gente famosa, como Bruna Lombardi e Jô Soares, sem falar das escritoras Ana Miranda e Patrícia Melo". "Embora só na obra desta última, as marcas de Rubem Fonseca sejam percebidas mais diretamente, há em outras a mistura de intriga (geralmente policial) e erudição, que caracteriza a literatura do autor".
Anteriormente, 2 de julho de 1995, esse mesmo jornal Folha de S.Paulo publicou extensa reportagem de quatro páginas inteiras, escrita pelo jornalista Mario Cesar Carvalho, sob o título "A verdadeira história policial de Rubem Fonseca" e o subtítulo "Folha rompe mistérios sobre o passado do autor de Agosto".
Para que os leitores possam ajuizar e tirar suas próprias conclusões da origem do exacerbado anti-getulismo do escritor, vou sintetizar alguns dados biográficos de Rubem Fonseca, extraídos da mencionada matéria jornalística:
1-      Em 1950, ele era esquerdista. Na eleição presidencial de 3 de outubro de 1950, apoiou a candidatura de João Mangabeira, do Partido Socialista Brasileiro, mas o eleito foi Getúlio Vargas;
2-      Começou a carreira de Comissário de Polícia em 31.12.1952, no Rio de Janeiro, então Capital da República;
3-      Fez curso de especialização para policiais nos Estados Unidos da América do Norte, entre setembro de 1953 e março de 1954;
4-      Foi relações públicas da Light, empresa canadense concessionária de energia elétrica no Rio de Janeiro; 5- Integrou o IPES (Instituto de Pesquisas em Estudos Sociais), entidade liderada pelo General Golbery do Couto e Silva, que articulou a conspiração contra o presidente João Goulart".
Insisti para debater o assunto no programa Jô Soares, na Rede Globo de Televisão, mas ele recusou minha presença.





Ver também:
As Difamações Contra Getúlio na Mini-série Agosto.
http://ressurreicaonacionalista.blogspot.com/2009/11/as-difamacoes-contra-getulio-na-mini.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário