segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Gripen NG, O Futuro Caça Supersônico Caboclo.



Ozíres Silva, O Anjo Guardião do Brasil.

Em meados de 2010, diante do crescente favoritismo do Rafale(francês) e do F18(estadunidense), tendo inclusive o então Presidente Lula anunciado, extra-oficialmente, o caça francês como preferido. Um comitê de empresas brasileiras  tendo a frente um mito da indústria aeronáutica brasileira Ozíres Silva, ex-presidente da EMBRAER e um dos seus fundadores, apresentaram uma proposta a Saab(suéca) com a Embraer para que houve-se uma efetiva participação brasileira no projeto e construção de um futuro caça nacional de sangue caboclo. Cogitou-se na época inclusive na adoção de um nome nacional para o futuro caça: Tupi, Senna e Silva....

A proposta do comitê de empresas brasileiras junto a Saab permite que a indústria brasileira consiga efetivamente absorver  a transferência tecnológica prometidas, isso porque somente pelo desenvolvimento de um projeto ainda por fazer permite com êxito a absorção tecnológica,  é oque diz Frederico Fleury Curado, ex-presidente da EMBRAER, ao fazer referência sobre uma suposta preferência pelo F-18 segundo a Wikileaks:

A construção de um caça é um processo difícil e que o único jeito de realmente aprender como construir um avião é desenvolvendo-o desde o início, isto é, através da tentativa e erro é que a Companhia aprende como realmente construir uma aeronave”.  - Frederico Fleury Curado.

Isso seria preferível do que comprar o avião francês ou estadunidense com todos os sistemas já prontos, ressalta Ozires Silva: "o importante é aprendermos a fabricação, porque daí o dinheiro investido retorna ao país mais cedo ou mais tarde. Ao fazermos pura e simplesmente a compra lá fora esse dinheiro não volta nunca".

A proposta de transferência tecnológica de franceses e estadunidenses ao contrário, tratar-se-i-a de uma pacote pronto e acabado em que não haveria em nenhum momento a participação da Embraer em seu desenvolvimento. Sem mencionar que os franceses nunca cumprem o que prometem quando se trata de transferência tecnológica segundo Ozíres Silva, assim como também a experiência mostra que os EUA apesar de dizerem que não haveria restrições tecnológicas, as exercem sempre que lhes convém. (Caso recente dos AMXs brasileiros em que os Ianques ameaçaram vetar a venda de seus componentes caso fossem vendidos a Venezuela).

A proposta Embraer-Saab segue o mesmo modelo adotado na consecução do caça AMX. Na ocasião, a EMBRAER desenvolveu cerca de 30% da aeronave, em conjunto com as italianas Alenia e Aermacchi. Os conhecimentos acumulados com o processo foram responsáveis por um verdadeiro salto tecnológico na Embraer, que se capacitou para voos mais altos como o da sua família de E-jets—hoje, o coração dos negócios da empresa. "A ideia é seguir a mesma proposta, mas adotando um grau de nacionalização ainda maior", afirmou um dos representantes da Saab no Brasil.

No caso do Gripen NG, esse percentual de nacionalização poderia chegar a 40% do desenvolvimento a 80% da fabricação. Averbou-se ainda na época que no caso da venda ao mercado externo dos aparelhos fabricados no Brasil, haveria uma divisão. A Embraer ficaria responsável por uma parte dos países, notadamente na América Latina, onde já possui uma presença forte. Outras praças, especialmente na Europa, ficariam a cargo da companhia sueca, pois lá ela é vista como tendo alto potencial de entrada.

A Proposta Vencedora:

O recente anúncio da escolha do Gripen NG no processo licitatório no Programa FX-2, consagra a proposta Embraer-Saab. Vejamos um trecho de uma entrevista concedida pelo Brigadeiro Saito logo após o anúncio do resultado licitatório dando a vitória ao Gripen NG, sobre a ulterior exportação do caça para outros países: “Na proposta ficou estabelecido que todo o mercado da América do Sul, África e outros países onde o Brasil tenha penetração as vendas serão nossas.”. Fica evidente que a proposta vencedora do certame licitatório foi àquela apresentada em 2010 por Ozíres Silva.

O vice-presidente executivo da Saab, Lennart Sindahl, também após o anúncio da escolha pelo Gripen, disse que o Brasil poderá desenvolver seu caça, ressaltando que: "A transferência será extensiva. O Brasil vai ganhar a capacidade própria de desenvolver um caça. Claro que isso tem como base o fato de que o Brasil já tem uma indústria muito capaz. O que trazemos é um conhecimento específico sobre caças.”. Isso implica que o Gripen brasileiro poderá ter variações distintas das ofertadas daquelas para exportação, com especificações voltadas as nossas necessidades. Um exemplo já confirmado qualquer que fosse o caça escolhido é que os caças brasileiros serão armados com mísseis A-darter, desenvolvidos pelo Brasil e a África do Sul.

De modo que, ainda que o Gripen NG não seja no papel o melhor caça em poderio bélico, teremos a possibilidade de modificá-lo para nossas necessidades, tornando-o um caça mais capaz do que o atual projeto fornecido e o mais importante promover sucessivos melhoramentos (“up-grades”) para sua atualização, oque seria algo bastante limitado nas outras propostas.

Brasil Como Plataforma de Exportação dos Gripens NG

Mais uma vez confirmando a proposta incial de Ozíres Silva, a estimativa após o anuncio da vitória do Gripen é que 40% do modelo e 80% da estrutura sejam de fabricação brasileira e que proverá com a reposição de peças todos os países utilitários do Gripen(África do Sul, Suíça, República Tcheca, Suécia), lembrando que eventuais exportações para a América do Sul e África o Brasil deterá direitos intelectuais sobre os componentes aqui fabricados.

A relação Brasil-África do Sul é especialmente importante e merece uma abordagem sozinha, posto ser estratégica, inserida no contexto dos BRICS, com uma cooperação militar no desenvolvimento de armamentos e com atuação conjunta sobre o Atlântico Sul. A adoção de um mesmo caça por ambos os países nos aproxima muito mais e acena um maior estreitamento militar futuro.

A Lição Foi Aprendida

Na década de 50 no governo de Getúlio Vargas, Richard Smith, engenheiro estadunidense do M.I.T mas que foi um grande colaborador do marechal Casimiro Montenegro, fundador do ITA, lembrava a nós brasileiros que: “O Brasil não deve adquirir aviões lá fora. Mesmo que esses lhe sejam oferecidos de graça”. 

Isso se deve ao fato de que com o tempo as peças de reposição seriam tão caras quanto um avião novo e também por que nós não desenvolveríamos a nossa própria indústria de aviões. 

Não se deve ceder a tentação do caminho mais fácil, o “Lobby Elegante” francês gastou centenas de milhares de dólares com membros do legislativo brasileiro para amaciar o caminho do supersônico Rafale. Ao final valeu o esforço perseverante de um brasileiro nacionalista, Ozíres Silva, que tornou possível fazer aviões na Pátria da Aviação esmerado na coragem e no exemplo do Marechal Casimiro Montenegro Filho que desafiou seus pares, em especial o também marechal aviador Eduardo Gomes(um dos Golpistas de 64), que não queria a criação do ITA, e partirmos em fim para o nosso “supersônico caboclo” que já nascerá com a marca da Embraer, a terceira maior e melhor construtora de aviões do mundo!

2 comentários:

  1. Só no Brasil, onde um avião vai poderá ganhar nome de demônio.
    Brincadeira viu!

    Mas é isso que os políticos querem, nos jogar nos
    braços de tudo que significa imoralidade e maldade,
    assim seremos pessoas sem valor, que se vendem fácil.

    ResponderExcluir
  2. ERRATA

    onde está: "vai poderá", lê-se "poderá"

    ResponderExcluir