quinta-feira, 1 de outubro de 2009

INTERVENÇÃO ESTADUNIDENSE NO PROCESSO POLÍTICO BRASILEIRO































GOLPE MILITAR OU REVOLUÇÃO REDENTORA?

Se considerarmos que a deposição de Goulart deveu-se somente – sem querer sub- dimensionar os fatos - a uma insurreição cívico-militar brasileira, obviamente que podemos considerá-la uma Revolução. Por outro lado, se consideramos que para a deposição de Goulart foi fundamental a atuação de um governo estrangeiro, sem a qual tal processo provavelmente não se efetivaria, torna-se questionável a idéia de revolução.

Esse resumo se baseia em um capitulo da obra de Carlos Fico, "O grande irmão, uma verdadeira coletânea de documentos secretos que fundamentam sua narração descritiva, ultra-científica, acerca do processo de Deposição de Goulart e a relação deste processo com a intervenção norte-americana.

O autor deixa claro que as avaliações do governo de Goulart eram predominantemente negativas e em nenhum momento tenta empreender uma tese defensiva de Gulart, mas apenas demonstrar – cabalmente- as relações que estabeleceram nesse processo.

CONSPIRAÇÃO VS CAMPANHA DE DESESTABILIZAÇÃO

Para o autor, é fundamental distinguir o proceso de conspiração do da campanha de desestabilização. O primeiro poder-se-ia até mesmo dizer que foi quase que espontâneo, embora se possa vislumbrar uma influência externa, ainda que indireta, no ânimo dos conspiradores.

Segundo Fico, “{...} foi bem desarticulada até bem perto do dia 31 de março {..} a movimentação militar que levou ao golpe iniciou-se sem o conhecimento dos principais lideres da conspiração e seus resultados foram bastantes fortuitos {..}

Já no tocante a campanha de desestabilização do governo Goulart, montou -se um amplo aparato pelo qual se conduziu um processo de planejamento desde o início da assunção de Goulart, comandado por organizações brasileiras e estadunidenses. Mas ressalte-se que os militares não tiveram participação intensa na campanha de desestabilização, a não ser algumas figura como o General Golbery .

CAMPANHA DE DESESTABILIZAÇÃO

ANTECEDENTES

Desde o início da Guerra Fria o EUA buscou manter sua influência sobre a América Latina. Em meados dos anos 50, era comum os planos de ajuda militar, planos esses restritos, que embora se desse por meio do fornecimento de armas e treinamento militar, não tinha um caráter de cooperação, visando à militarização dos países latino americanos. Nas palavras de Fico: “ {...} objetivava manter a dependência da região aos EUA {..} a idéia principal era excluir os antigos fornecedores europeus ( inclusive a Alemanha e Itália).

Foi com a Revolução Cubana que o EUA passou a se preocupar mais com a Região e a investir seus esforços para conter a expansão do comunismo. Para o Presidente Kennedy, conforme coloca o historiador: “a América Latina é região mais perigosa do mundo”. A partir de então, começou-se a montar um aparato ideológico que mantivesse tais países sob sua esfera de influência. Uma das estratégias foi investir no desenvolvimento da região, pois sabiam que a pobreza poderia constituir-se num verdadeiro catalisador de golpes comunistas. Surge, então, a “Aliança para o Progresso” que chegara aqui no Brasil no primeiro semestre de 1961, chefiada pela USAID, Agência de Desenvolvimento Internacional.

Nas palavras de Fico, em alusão à doutrina da Aliança Para o Progresso:

{..} essa doutrina global que articulava segurança interna da região à necessidade de combater a pobreza, identificada como motivadora de regimes de esquerda, Levaria Lindon Johnson a buscar o envolvimento de lideres civis norte-americanos, especialmente empresários, na causa anticomunista {..}

Dentro desse período, passou-se a operar também no Brasil a organização “ Peace Corps,” composta por jovens voluntários que eram demandados pelos governadores de Estados em determinadas áreas ( escolar, agrícola, de saúde e outras). Segundo Fico, “o EUA não propagandeavam sua presença no Brasil para evitar críticas de intervencionismo ou algo do gênero”.

ELEIÇÕES PARLAMENTARES DE 1962

O finaciamento de candidatos brasileiros simpaticos aos EUA e avessos ao governo Goular, revelou-se como uma das ações estratégicas para que o império pudesse se infiltrar no poder legislativo e garantir, sobretudo, que algum parlamentar, no caso o presidente da câmara, assumisse o poder quando o processo de deposição de Jango fosse deflagrado.

Segundo Fico,

Foi no contexto das eleições parlamentares de 1962 que a intervenção norte-americana no processo político brasileiro intensificou-se, ultrapassando os limites da propaganda ideológica que os EUA faziam em qualquer país, enaltecendo os costumes norte-americanos e defendendo o capitalismo contra o comunismo.”

MISSÃO DRAPER

Um dia depois da Eleição de outubro de 1962 chegou ao Brasil uma missão enviada pelo presidente John Kennedy cujo comando coube ao investidor republicano Willim H. Draper com auxílio do Departamento de Defesa e outras agências governamentais e objetivava avaliar o resultado das eleições, que, apesar de todo esse apoio externo, não teve um resultado positivo para as forças anti-gulart.

“ILHAS DE SANIDADE”

O Republicano Draper também sugeriu que o Brasil passasse a ser englobado num plano econômico de ajuda financeira que consistiu em repasses aos governos estaduais que eram contra Jango. Segundo o Embaixador Gordan, esse plano foi sugerido pela Cia. Tal plano visava favorecer a imagem dos EUA nos Brasil e minar o governo de João gulart.

O embaixador Gordan denominava os Estados que recebiam os repasses financeiros de “Ilhas de Sanidade”, já que eram meticulosamente avaliados os lugares que receberiam tal empreendimento, pois se tomava o cuidado de não ajudar os governadores pró-jango.

PROPAGANDA DOUTRINÁRIA

Dentro da indústria de propaganda alienígena podemos destacar:

1- Distribuição de publicações a parlamentares e outras autoridades: exemplares de U.S New s Letter, espécie de boletim informativo eram entregues aos parlamentares diariamente, enquanto que aos Governadores, Prefeitos e Juízes eram entregues Wireless File, sem contar outras publicações, como livros, estatísticas e análises. De 1963 a 1964 os gastos com tradução de livros para militares saltaram de US$6 mil US$15 mil.

2- Exibição de Filmes nos quartéis: o USIS (Serviços de informações) adquiriu unidades moveis de projeção de filmes, chegando em 1963 segundo o relatório a completar mais de 1.706 exibições nos quartéis do Rio de Janeiro, abrangendo cerca de 180 mil militares.

3- Concessões Financeiras para entidade de ensino de Língua Inglesa

4- Programas de intercâmbio: considerada a iniciativa mais eficaz, pois consistia na oferta direta de dinheiro a braileiros influentes p’ra que viajassem aos EUA e tomassem contato com a civilização anglo-americana, trazendo pra cá seus paradigmas culturais. Havia diversas categorias. A categoria Líderes, dos 36 beneficiados em 1963, 15 foram para Deputados e 10 para governadores, dentre os quais, José Sarney UDN e Mário Covas PST. Havia um núcleo do USIS (Serviços de informações) voltado apenas para assuntos estudantis, chegou se a selecionar 5 mil lideranças estudantis em 22 universidades. As Mulheres representantes da Camde ( Campanha das Mulheres pela Democracia) também foram abarcadas pelo programa. Entre 1967 a 1968, foram abrangidos pelo programa cerca de 1.131 brasileiros.

INVESTIMENTOS MACIÇOS

Dias antes do Golpe, foi elaborado pelo USIS (Serviços de informações) um relatório que explicitava a necessidade de reforçar a confiança das Relaçoes entre Brasil e EUA, sugerindo criação de “centros democráticos progressista” que eram centros de propaganda norte-americana anti-comunista, para os quais destinou-se US$ 891 mil dólares, contenplando Unidade móveis de exibições de filmes , rádio, imprensa e propaganda . Rassalte-se que essa monta não incluía outras despesas como custeio de pessoal, nem outras atividade que Washington apoiava tais como os fundos adicionais do programa de publicação de livros US$ 490 mil, concessões financeras para o ensino de língua US$ 400 mil, recursos do programa de intercâmvio US$ 1 milhão. Os gastos do USIS entre 1965 e 1970 ficaram sempre acima de US$ 5 milhões anuais.
Lincol Gordam confessou que foram gastos na ordem de US$ 5.000.00 com o financiamento de campanha de parlamentares pró-EUA.

EFICÁCIA DAS ATIVIDADES DE DOUTRINAÇÃO E PROPAGANDA DO USIS (SERVIÇO DE INFORMAÇÕES)


As avaliações eram feitas por órgãos externos ao USIS (Serviços de informações), como as Embaixadas de Brasília e Rio de Janeiro.

PLANO DE CONTINGÊNCIAS

Segundo Fico,

“{...} A campanha de desestabilização evoluiu para o planejamento de um possível golpe.”O plano de contingências consistiu num documento no qual se vislumbrou certas conjecturas traçando para cada cenário uma possível linha de ação. {..}


Ao contrário do que o Embaixador Gordan disse, que plano foi elaborado às pressas, o historiador nos mostra por meio de um documento em anexo que o plano foi concebido em 11 de dezembro de 1963. Igualmente, a operação Brother San, contida no plano, também não fora traçada às pressas, o autor cita um fragmento do plano em cuja operação brother Sun estaria inserida:

“deve-se usar de precaução contra passos preparatórios suscetíveis de serem descobertos prematuramente identificados como preparativos para os EUA intervirem aberta ou secretamente no Brasil.”

Partindo-se de algumas pressuposições, estabeleceram-se quatro cenários com quatro ações correspondentes. O primeiro cenário previa uma hipótese de tentativa de golpe contra o governo de Goulart, partindo de movimentos de extrema esquerda, com apoio reduzido das Forças Armadas; o segundo, supunha a possibilidade de uma resistência organizada, aberta, das Forças Democráticas de bom tamanho com considerável apoio militar, contra uma tentativa de Goulart obter poder autoritário, tentativa essa que seria identificada por meio de qualquer gesto anticonstitucional de Goulart, nesse cenário, vislumbrava-se também a possibilidade de Goulart instaurar uma ditadura do tipo peronista e depois acabar sendo dominado pelos comunistas; a terceira, vislumbrava um golpe militar que implantasse uma liderança nacional “mais efetiva”, golpe esse motivado por um descontentando acumulado com o caos econômico e político, não por uma episódio específico, como no segundo cenário; e o quarto, previa a possibilidade de uma tomada de poder por setores ultranacionalistas de esquerda, com ou sem a participação de Goulart, acompanhada por uma neutralização ou fracionamento das Forças Armadas.

Ressalte-se desde já que tal plano tinha uma estratégia puramente retórica, pois continha hipóteses que de tão absurdas automaticamente se excluíam conduzindo às hipóteses realmente desejadas pelos malditos.

Nas palavras de Fico:

“{..} era a defesa de um ponto de vista desejado, uma opção escolhida pelo autor {..}”

Era o caso do primeiro e quarto cenário, improbabilissíssimos, que seus autores mesmo admitiam-nos como os menos prováveis e sobre a atitude a ser tomada pelos EUA no primeiro cenário, remetiam suas considerações as atitudes que deveriam ser tomadas no segundo plano, enquanto que as que deveriam ser tomadas no quarto, apenas diziam que deveriam ser impedidas, sem definirem qualquer linha de ação.

As linhas efetivas referiam-se aos segundo e terceiros cenários e traduziam o que de fato ocorreu:

1- controle militar temporário;
2- posse do presidente da câmara dos deputados;
3- e posterior eleição de um novo presidente.


No caso de um conflito com as forças legalistas, afirmava-se a desejabilidade de formação de um governo provisório, composto pelos militares, pra que se pudesse reconhecê-lo e tão-logo descartar Goulart. Porém era necessário que o governo alternativo estivesse controlando uma região significativa para que se pudesse clamar por legitimidade internacional para finalmente ser reconhecido. Segundo Fico, isso era praticamente uma sugestão aos conspiradores não-estadunidenses, pois seria ilógico constar tal previsão de desejabilidade de um governo provisório, num plano que tratava de uma intervenção duma potência estrangeira, a não ser que ele tivesse de ser observado por outras pessoas.

OPERAÇÃO BROTHER SAN


Ainda no caso de um conflito com as forças legalistas de Goulart, o plano previa que os EUA deveriam prover os conspiradores com suprimento, derivados de petróleo, alimento, munição, enfim, com todo apóio logístico, aberta ou secretamente.
O plano previa ainda a hipótese de uma intervenção direta dos EUA, se caso houvesse alguma evidência de intervenção soviética ou cubana, diretriz que estabeleceu a Força tarefa naval que futuramente se chamaria Brotehr San.

Fico esclarece:

“A operação contou na pratica com um porta-aviões, um porta helicópteros, um posto de comando aerotransportado, seis contratorpedeiros (dois equipados com mísseis teleguiados), carregados com 100 toneladas de armas (inclusive um gás lacrimogêneo para controle de multidões, chamado CS agent) e quatro navios-petroleiros que traziam combustível para eventual boicote das forças legalistas”Embora em 31 de março tenha sido autorizada movimentação da Forças Tarefa naval, concretamente não havia previsão de desembarque de tropas no Brasil, mas o historiador levanta uma questão:

“Os EUA poderia intervir militarmente na hipótese, por exemplo, de um segundo estágio, caracterizado por um eventual confronto entre os golpistas e as forças legalistas {..}

Porém deixa claro:

"A operação Brother San poderia se desdobrar nesse sentido, mas originalmente ela não previa o desembarque de um punhado de fuzileiros navais e, portanto, se um confronto se instaurasse no Brasil e a casa branca decidisse intervir militarmente, Washington teria de agir às claras, consultando o congresso dos EUA e , possivelmente, a Organização dos Estados Americanos (OEA)- cenário realmente chocante e quase inimaginável.”

O historiador chama atenção para um dado novo, até então despercebido, quanto à participação de Brasileiros na Brohter San, diz Fico:

“ao contrário das negativas de envolvimento de brasileiros na operação brother san, havia um contato brasileiro cuidando da entrega de armas, munições e combustível, o General de Brigada José Pinheiro de Ulhoa Cintra, um dos grandes revolucionários do Exército {...} descrito por Costa e Silva como “ um homem violento e querendo fazer bobagem”. O General Cintra deveria fazer uma avaliação da necessidade suplementar de armas e avisar Vernon Walters, adido militar estadunidense, conhecido de Castelo Branco desde a II Guerra.

PLANO DE DEFESA INTERNA PARA O BRASIL

Mais um documento inédito revelado pelo Historiador. Tratava-se de um plano de avaliação para se precisar as condições de segurança do Brasil em face de ameaças internas que pudessem pôr em risco os interesses estadunidenses, elaborado dias antes do General Cintra fazer a tal solicitação dos artefatos ao adido Vernon Walters. Com efeito, o embaixador Gordan já sabia em detalhes das necessidades de equipamentos e recursos humanos dos militares e policiais brasileiros, graças a tal plano que antecedia a transação. Tal plano decorreu, segundo Gordan, do acordo de segurança interna entre os governos brasileiro e estadunidense, que por sua vez decorreu graças a renovação do acordo militar do Brasil com os EUA, efetivado pelo Ministro Interino João Augusto de Araujo Castro, sem permissão de Goulart, em janeiro de 64, o que lançou fortes suspeições sobre ele, segundo o historiador.

O historiador cita ainda que “segundo o Embaixador Gordan, os equipamentos dos militares e da policia eram obsoletos e as Forças Policiais do País seriam incapazes de arcar com distúrbios internos sérios sem a ajuda do Exército."

E continua:

“Por causa dessas insuficiências e da iminência do Golpe, o Embaixador Gorgan sureriria ao governo norte-americano, dias depois, em outro documento, que se fizesse ma entrega clandestina de armas de origem não-americana (para impedir identificação e evitar acusações de intervencionismo) a serem repassada aos cúmplices de Castelo Branco em São Paulo, nada muito diferente do que já vinha sendo previsto desde de o plano de contingências do final de 63.”


MONITORAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL

Na semana do golpe, o Congresso Nacional exerceu a função de “sistema nervoso” segundo Robert Dean, citado por Fico. Dean era conselheiro do escritório de representação da embaixada ianque em Brasília, especializado no monitoramento das atividades do Congresso. Ele emitia boletins semanais - The Week in Congress- ao Embaixador Loncol Gordan e ao Departamento de Estado estadunidense.

O monitoramento se dava tanto na capital da república como no Departamento de Estado de Washington e foi fundamental para o reconhecimento quase que imediato da posse do Presidente da Câmara, Rinieri Mazilli. De acordo com Fico, assim que o Departamento de estado foi avisado da posse de Mazzilli na madrugada do dia 2, enviaram o seguinte telegrama:

Eu enviei um telegrama ou emiti uma declaração que teve o efeito, com efeito, de reconhecer o novo governo. Goulart não estava totalmente fora do País e eu estava me arriscando. Mas funcionou belamente e foi muito efetivo. Foi o tipo de coisa que marcou o fim para o Sr. Goulart.

George. W. Ball

Contudo, tal telegrama não foi encontrado e o reconhecimento se deu com o envio de outra mensagem ainda na noite do mesmo dia.

MINHA OPINIÃO

Esse acervo documental que compõe a obra é uma evidência axiomática de violação da nossa soberania. Revela o trabalho de alienação promovido por uma potencia estrangeira no nosso território, vitimando tanto civis quanto militares ao incutir-lhes uma doutrina "cega", segundo a qual o Liberalismo e a Democracia Anglo-Americana são a única força antagônica ao comunismo.

Precisamos iniciar um novo período, sem cometer os erros do passado: está claro que Jango errou, cedeu a pressões de comuna-sindicalistas, como Dante Pelegrine, foi condecendente com indisciplina militar,coisas que sabemos que Vargas não faria, mas não podemos deixar de indagar:

Será que precisava de uma Nação estrangeira intervir e colonizar o nosso país?

Nenhum comentário:

Postar um comentário