quinta-feira, 29 de março de 2018

A Democracia Verdadeira (direta) contra o Parlamentarismo (oligarquia).

O artigo que se segue são conclusões de nacionalistas helênicos (não se trata do Aurora Dourada), sobre o regime político liberal, que por má-fé chamam de "democracia", quando se trata de uma oligarquia. Ao mesmo tempo que desmente a falácia liberal de que um sistema de eleição pelo voto seria por si só democrático, nada mais distante da realidade e desmentido pelo próprio Aristóteles. É um artigo que julgamos altamente pertinente e que o leitor poderá observar terem, os nacionalistas gregos, chegado as mesmas conclusões que nós castilhistas há mais de um século atrás.... e isso não é por acaso, posto que os castilhistas beberam direto nas fontes gregas.
Editorial.

A Democracia Verdadeira (direta) contra o Parlamentarismo (oligarquia).

"Se um povo deve saber o que é a democracia, é o grego que a criou. No entanto, muitos gregos ignoram o que é a democracia e ignoram que o parlamentarismo é um sistema anti-Democrático que nada tem a ver com a democracia.

Aristóteles em seu livro " Politica " diz: “democraticon men to klerotas einai tas arxas to de airetas oligarhikon”. que quer dizer: onde os senhores são "eleitos" por votação,  lá o sistema é oligarca. O que isso significa será explicado neste texto.

Desde que as pessoas se juntaram em sociedades organizadas em Estados até os presentes dias, o problema do poder continua a ser o mesmo: quem decidirá sobre o público?

Poucos ou todos os cidadãos?

Cada geração resolveu este problema de forma diferente.

Da resposta que ele deu, as três principais políticas: a monarquia, a oligarquia e a democracia.

O parlamentarismo é uma forma de oligarquia criada na Inglaterra e visa contornar a vontade do povo, e todas as decisões importantes a serem tomadas pelos poucos. Como se pode ver hoje em dia, os poucos que decidem são "acidentalmente" sempre ligados às ideologias federalistas e trabalham para quebrar a consciência nacional dos povos. No Parlamento, nenhuma decisão importante é tomada pelo povo. Os antigos gregos disseram que onde há partidos e eleições o sistema é oligarca, e onde há referendos populares o sistema é democrático.

Os eleitores de hoje estão a tentar encontrar uma solução para os fins da crise sem saber que, quando as partes votam nas eleições, eles não fazem qualquer decisão, mas eles fazem decisões para os políticos, e mais especificamente para um sistema político podre de escravidão...

Como já foi mencionado, Aristóteles em seu livro " Política " diz: " Dēmokratikón é o klērōtás é o primeiro, o d ' airetás oligarchikón ". que é: onde os Senhores são " eleitos " por votação, lá o sistema É o oligarca. Nos estados democráticos, todas as decisões importantes foram tomadas pelo povo em referendos, e os escritórios da cidade foram levados por cidadãos sortiados por curtos períodos de tempo, obrigados por lei a fazer exatamente aquilo que o povo decidiu. Sem ter a oportunidade de mudar a decisão do povo, ou de fazer o contrário. Enquanto os Senhores são "eleitos" decisões são sempre tomadas pelo filo de políticos, e nunca o povo. Este é precisamente o ponto crucial que todos devem compreender: que na democracia as pessoas decidem sobre as questões próprias e nunca votam em alguns políticos para que os representem ". Enquanto na oligarquia as pessoas nunca decidem sobre questões, mas todas as questões são decididas por um pequeno grupo de pessoas que "representam" as pessoas e eleitas pelo processo eleitoral. 

Na Europa, foi observado que 80 % das decisões tomadas nos parlamentos dos países são contrárias à vontade da maioria. O que é importante é precisamente quem toma as decisões: as pessoas ou os políticos (que estão sempre ligados a interesses e manipulação e praticamente, na maioria dos casos, agem contra a vontade das pessoas que votaram nelas).

Uma expressão que corretamente atribui ao parlamento é a expressão: "consenso da oligarquia” ou seja, que as pessoas aceitam ser governados pelos poucos (políticos) a quem no dia das eleições ele concedeu todos os seus direitos políticos e por 4-5 anos as pessoas ficam sem direito político. Mesmo que os políticos enganem as pessoas em todos os seus compromissos políticos pré-Eleitorais, as pessoas já não têm o direito de demitir políticos corruptos.

Hoje é imperativo ter soberania popular com o estabelecimento constitucional de democracia real (direta). A Suíça e a Venezuela são os únicos países do mundo que tem uma constituição democrática onde as pessoas decidem questões importantes em referendos. Ao mesmo tempo, o parlamento decide sobre questões menores. O que importa é importante para que as pessoas decidam num referendo é julgada pela recolha de assinaturas a fazer num determinado período de várias semanas, para que possa levar a um referendo a questão que pretende propor. A Constituição democrática da Suíça foi iniciada por John Kapodistrias como ministro dos estrangeiros russo.

Nas últimas décadas, o parlamentarismo conseguiu dar ao governo da nação uma minoria internacionalista de anthellḗnōn. Tornou-se claro hoje de uma forma ainda mais enfática que só com a democracia (direta) é a vontade do povo e todas as decisões estão em consonância com a verdadeira vontade da nação.

Se nós fizermos uma retrospectiva, vamos observar que a Esparta antiga, e Atenas antiga tinham democracia direta. Em Esparta, as decisões mais importantes foram tomadas pela apella (Assembleia do povo) e, em Atenas, as decisões mais importantes foram tomadas pela Assembleia do povo. Em Esparta, a presença dos dois reis e cinco regentes era mais uma personagem honorária. A verdadeira administração era o povo com as decisões dos apéllas.

A nova ordem de coisas inteligentemente nomeou o atual sistema oligárquico de " Democracia parlamentar ", com esta manobra, poucos entendem que não é uma democracia. Eles pensam que há muitos tipos de democracia, uma das quais é o parlamentarismo.

Se a Grécia tivesse hoje uma verdadeira democracia, não esta chuva de decisões anthellēnikṓn que tendem a ser a eliminação biológica da nossa nação e a sua fidelidade aos centros de decisão estrangeiros.

No entanto, a maioria dos gregos, infelizmente, continuam a acreditar hoje, devido à ignorância de que o parlamentarismo é um sistema grego e democrático baseado na antiga democracia ateniense.
Dois importantes parâmetros de democracia real são anaklētótēta e chamar.

Anaklētótēta significa que, quando alguém foi colocado por uma nação em alguma área de responsabilidade, se não faz exatamente o que é definido, é retirado desta área de responsabilidade. Não existe tal procedimento no Parlamento. Qualquer fraude ou quebra de promessas eleitorais, e se um político do sistema parlamentar faz, quase nunca é removido, porque é apoiado pelo próprio sistema oligarca.

O sorteio é o processo pelo qual os gestores dos setores de gestão são selecionados por períodos curtos. No Museu do antigo mercado no pórtico de átalo, em Atenas, há o (kleroterion) onde os cidadãos atenienses que iriam servir em vários lugares públicos na cidade de Atenas foram escolhidos aleatoriamente. Na Grécia antiga, alguém que, por exemplo, foi responsável pela gestão financeira da manutenção dos navios, depois de estar preparado para esta posição, estava a assumir por um curto período de 2 meses que começou um ano após o sorteio, a Que foi obrigado a cooperar com os seus antecessores anteriores, a fim de "aprender os segredos" deste sector, de modo que, em cooperação e com outros, eles adequadamente o que o município já tinha decidido. Não tinham o direito de tomar as suas próprias decisões, exceto para realizar corretamente aquilo que tinha votado nos referendos e, por isso, o município decidiu.

A aplicação de sorteio hoje poderia ser feita não só para lidar com as áreas de responsabilidade a nível pan-Helénico, mas também na união, universidades, etc. Envenenado por partitocratas.


A proposta do Estado para a Grécia de hoje

A proposta de hoje é que a Grécia tenha um sistema democrático de estado semelhante à Suíça. Ter uma democracia real (direta) com referendos do povo sobre todas as questões muito importantes (depois de recolher assinaturas, dentro de um determinado período de semanas, para definir as questões verdadeiramente importantes) e, ao mesmo tempo, ter o parlamento com membros eleitos, Quem decidirá sobre todas as questões menores. As questões que serão consideradas mais importantes por causa da recolha de muitas assinaturas serão destinadas a um referendo do povo em certos momentos, e irá, em particular, ter como objetivo a eleição de eleições nacionais, municipais e europeias para a sua preparação. Duas urnas (um para as questões de referendos e uma para estas eleições: eleições nacionais, municipais e européias. Assim, à medida que os referendos serão realizados ao mesmo tempo que as outras eleições, terá custos mínimos para o estado.

As questões secundárias, para além do Parlamento, podem ser votadas por 1.000 ou 2.000 cidadãos, por exemplo, que poderiam ser utilizados por períodos curtos, por exemplo, por um quarto. O voto destes cidadãos é absolutamente indicativo da vontade de toda a sociedade. É indicativo que as empresas de sondagem quando fazem investigação são, normalmente, cerca de 1.000 pessoas. Por conseguinte, os organismos de 1.000 ou 2.000 ou mais cidadãos atribuirão precisamente a vontade do povo e podem substituir a maioria dos drastrēriótētes do Parlamento. Por isso, o papel da assembléia será mínimo, e a parte superior será sempre detida pelo povo, quer por referendo, quer por votos dos órgãos do povo."


Artigos similares:


  



Ascensão e Queda de um Civilização.

A Formação da Mulher Castilhista.

Os Valores Clássicos nas Personagens Femininas do Filme Tropas Estrelares

Uma Grécia nas Ribeiras do Atlântico Sul.

Por um Novo Século de Péricles.

Uma Esparta ao Sul do Brasil


3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. As câmaras políticas não passa de uma "monopolização" de oligarcas criminosos contra a população. Viva a Democracia Direta!!

    ResponderExcluir