sábado, 17 de fevereiro de 2018

Vargas e o Integralismo

Estando em viagem pela Itália em 1930, Plínio Salgado escreve uma carta a um amigo se mostrando impressionado pelo regime fascista e seu encontro com Mussolini:

“Tenho estudado muito o fascismo; não é exatamente esse o regime que precisamos aí, mas é coisa semelhante. O fascismo, aqui, veio no momento preciso, deslocando o centro de gravidade política, que passou da metafísica jurídica às instituições das realidades imperativas. (...). Penso que o Ministério das Corporações é a máquina mais preciosa. O trabalho é perfeitamente organizado. O capital é admiravelmente bem controlado. (...) Volto para o Brasil disposto a organizar as forças intelectuais esparsas, coordená-las, dando-lhes uma direção, iniciando um apostolado.”

“Contando eu a Mussolini o que tenho feito, ele achou admirável o meu processo, dada a situação diferente do nosso País. Também como eu, ele pensa que antes da organização de um partido, é necessário um movimento de idéias”. (Apud MEDEIROS, Jarbas; VIEIRA, Margarida. “As idéias políticas de Plínio Salgado”. In: CRIPPA, Adolpho (coord.). As idéias políticas no Brasil.)

Plínio Salgado
Disso derivou a idéia de criar a AIBAção Integralista Brasileira, oque veio a se concretizar em 32. 
O Integralismo nasce assim do fascismo e terá nos imigrantes italianos e alemães seus principais núcleos de apoio, tendo recebido mesmo ajuda financeira ao longo de sua existência de Mussolini.  Havendo também estreita colaboração entre integralistas e o partido nacional-socialista no Brasil, como os jornais Blumenauer Zeitung e Joinvillerser Zeitung, que atuaram na cobertura dos dois movimentos (CARONE, 1977, p. 212; GERTZ, 1987, p. 192); tendo inclusive a NSDAP compartilhado sua sede com a AIB em Rio do Sul – SC. (RIBAS, 1944, p. 129).

O envolvimento de Plínio Salgado com movimentos estrangeiros, e seu relativo distanciamento do governo, embora o movimento desperta-se simpatias em Vargas, provocava também desconfiança em Getúlio. A lembrar que Plínio Salgado fora apoiador da contra-revolução de 32. Assim é que Getúlio registra em seu Diário:

“ O integralismo é uma forma orgânica de governo e uma propaganda útil no sentido de disciplinar a opinião... Não confio muito nos seus dirigentes, nem eles têm procurado se aproximar do governo de modo a inspirar confiança.”

Com a instituição do Estado Novo em 37, o fechamento dos partidos políticos será decretado em dezembro desse mesmo ano, incluso a AIB e o partido Nacional-Socialista.

Antes mesmo do decreto de três de dezembro de 1937, começar a valer, em 18 de abril de 1938, Getúlio recebeu o embaixador alemão Karl Ritter, que manifestou desagrado com o fechamento do partido nacional-socialista no Brasil, e que isso implicava ter o Brasil como inimigo. Getúlio contemporanizou alegando que não poderia abrir exceções posto que todos os partidos, inclusos os brasileiros, foram extintos. Eis o teor da conversa:

Karl: " - O Partido Nacional-Socialista é a própria Alemanha [....] Todos os ataques que são dirigidos ao Partido, portanto, são considerados também ataques diretos ao Reich."
Getúlio: " - Ora, não devemos comprometer uma grande questão com outra menor".
Karl: " - Se o senhor considera a proibição do Partido Nacional-Socialista no Brasil uma questão pequena, não vejo por que insiste nela. Os temas políticos são fundamentais para o Führer. E os nossos negócios, mesmo os mais consideráveis, não tem qualquer importância se comparados aos assuntos supremos do Partido".  

O inconformismo de Karl Ritter, com o fechamento do partido nacional-socialista no Brasil, se devia ao projeto alemão de incorporação do sul do Brasil como colônia alemã. 

Segundo Olbiano de Melo, Getúlio prosseguiu em suas negociações com os integralistas mesmo após a extinção dos partidos, oferecendo-lhes o Ministério da Educação. A liderança do movimento chegou a escolher o nome de Gustavo Barroso para a pasta, mas a indicação, transmitida por Alcebíades Delamare a Francisco Campos para que este a levasse até Vargas, misteriosamente.....  jamais chegou a seu destino.
"Encontrei com Plínio Salgado. Caipira astuto e inteligente, entendemo-nos bem." - Getúlio Vargas, 26 de outubro de 1937.

Em 11 de março de 1938, antes do efetivo fechamento dos partidos em 18 de abril. Ocorreu a primeira tentativa de golpe por parte dos integralistas. Uma grande quantidade de armas foi apreendida na casa de Plínio Salgado, onde, segundo Hélio Silva, foram encontrados três mil punhais marcados com a suástica. Tendo Plínio Salgado e Belmiro Valverde — chefe militar do levante — conseguido escapar.

Getúlio registrou em seu diário, antes desse primeiro evento, já ter conhecimento da conspiração dos integralistas contra seu governo, diz:

“12 de fevereiro de 1938: ―Vieram falar-me sobre conspirações que estavam sendo tramadas no Exército etc. Combinei inicialmente providências militares no Rio Grande e em São Paulo, e aconselhei ao chefe de Polícia vigilância aqui, não convindo, por enquanto, fazer prisões.”

Dois dias depois, em 14 de fevereiro, as informações da conspiração chegavam de modo mais grave:

“―O ministro da Justiça, impressionado com os boatos de conspiração, quer apressar as coisas.

E, no dia 16 do mesmo mês,  assim registrava o clima conspiratório dos integralistas contra o governo:

“―A polícia fluminense descobre uma conspiração integralista em Petrópolis e faz prisões.”

"Ambiente de franca conspiração, dirigido por integralistas. Disse ao ministro Campos que ou o Plínio vinha colaborar ou eu teria de adotar medidas de repressão contra seus partidários." - Getúlio Vargas, 05 de março de 1938.
A conspiração prosseguiu e, na véspera da deflagração do segundo levante, ocorrido em 11 de maio de 1938. O movimento foi novamente dominado após algumas horas de cerco dos integralistas ao palácio Guanabara e um levante no Ministério da Marinha. Com as prisões efetuadas. Ficou claro que a tentativa de assassinato a Getúlio não partira tão somente dos integralistas, mas também de liberais, denunciando mais uma vez a relação do Plínio Salgado com os liberais, e de setores de dentro das próprias forças armadas.
10 de maio de 1938 – “à noite, após o despacho, fui deitar-me. Não havia ainda adormecido, quando sobressaltou-me cerrada fuzilaria e descargas de metralhadoras. Era o ataque ao palácio, feito de surpresa. O ministro da Guerra veio até o portão, mas não pôde penetrar porque o espaço era varrido pelas metralhadoras. As forças do Exército e da polícia cercavam os arredores, mas não podiam penetrar. Essa situação manteve-se até a madrugada, quando os rebeldes se renderam.” - Getúlio Vargas.
12 de maio - "Aproveitei para fazer o elogio do ministro da Guerra. Realmente, durante mais de três horas em que estive atacado no Guanabara pelos assaltantes e pela própria guarda do palácio, quase sem defesa, foi ele o único homem entre os altos funcionários da administração que, com o risco da própria vida, procurou salvar-me. Dos outros, os que não fugiram, procuraram primeiro garantir a si próprios." 
28 de junho - (Descobriu-se que um irmão de Oswaldo Aranha estava implicado no ataque ao palácio. O chanceler quer demitir-se) "Oswaldo reiterou seu pedido de demissão, dizendo que sua mãe era de opinião que ele não poderia continuar servindo a um governo que castigara seu irmão."
Belmiro Valverde, um dos integralistas presos, aponta Plínio Salgado como um dos mandantes:

“Plínio Salgado sabia, estava acompanhando os fatos, alegrou-se com as primeiras notícias favoráveis, desesperou-se quando soube do fracasso. Um depoimento por nós ouvido de Francisco San Tiago Dantas acrescenta que Plínio redigiu um depoimento para que ele lesse no Rio de Janeiro, logo que saísse vitorioso o movimento.”

Sobre Plínio, diz ainda Valverde:

“vencidos, ele (Plínio Salgado) nos pôs de lado; vencedores, haveria de querer surgir como grande Messias, o Homem do Destino. Cometemos para ele o pecado de não ganhar a partida”.

Anos depois, o próprio Plínio confessara sua participação no levante:

“A minha autorização, não apenas ao sr. Valderde, mas aos chefes integralistas do DF, era no sentido de articular, preparar e aguardar, e nunca decidir sobre a forma de ação, e nem sobre a data da sua execução”.

O envolvimento com liberais e apoio externo do fascismo italiano se comprova com a prisão de Severo Fournier, liberal e ex contra-revolucionário de 32, que se refugia no consulado italiano.

As correspondências entre o embaixador italiano Vicente Locajono e o ministro fascista do exterior, Galeazzo Ciano, comprovam que a AIB recebia subvenções do governo italiano.

Do envolvimento dos integralistas com o partido Nacional-Socialista no Brasil, no que pese haver colaboração, havia divergência ideológica ante o projeto de assegurar a germanização das colônias alemães por parte do partido nacional-socialista do projeto integralista de brasileirização desses contigentes. Plínio Salgado reiteradas vezes chegou a atacar as proposições racialistas do Nacional-Socialismo, bem como acusando-os de pagãos.   Em junho de 1935, Plínio Salgado chegou a enviar um emissário, Dr. José Zamarin da Testa, à embaixada da Alemanha, no Rio de Janeiro, oferecendo a cessação dos insultos que proferia à Alemanha e a manutenção do germanismo no sul após a chegada ao poder, em troca de ajuda financeira do III Reich. (C.f. GERTZ, 1987, p. 135-136).

Diante dessas relações do integralismo com o nacional-socialismo e o fascismo, é que Getúlio confessa a sua filha Elzira Vargas, após ser indagado do porque não convocava o plebiscito para legitimar a Constituição de 37, o motivo da instauração do Estado Novo:

"o golpe de primeiro de novembro foi justamente para evitar qualquer movimento eleitoral que só poderia nos prejudicar nesta ocasião, e me perguntas pelo plebiscito? Não te passou ainda pela cabeça que os dois únicos partidos de âmbito nacional têm suas origens fora do Brasil: o comunismo e o integralismo? Todos os outros representam apenas interesses locais ou, quando muito, regionais" – Getúlio Vargas.

Desta forma, o Estado Novo surge como o salvador da ordem, que libertou o Brasil das doutrinas e das interferências externas e o projetou para si mesmo, a fim de evitar o caos e a pobreza gerada pelo liberalismo, ao mesmo tempo eliminar definitivamente os regionalismos que ameaçavam a unidade brasileira.


Artigos correlatos:

Biografia de Gustavo Barroso.








Nenhum comentário:

Postar um comentário