terça-feira, 30 de agosto de 2016

"Identitarismo" e Nacionalidade - A Posição Castilhista.

O Castilhismo, como ideologia nacionalista, só reconhece uma única identidade étnica e nacional no Brasil, como de fato somente há, a brasileira. Darcy Ribeiro, um dos expoentes do nosso Trabalhismo é expresso e claro nesse sentido:

“Os brasileiros se sabem, se sentem e se comportam como uma só gente, pertencente a uma mesma etnia. Vale dizer, uma entidade nacional distinta de quantas haja, que fala uma mesma língua, só diferenciada por sotaques regionais, menos remarcados que os dialetos de Portugal. Participando de um corpo de tradições comuns mais significativo para todos que cada uma das variantes subculturais que diferenciaram os habitantes de uma região, os membros de uma classe ou descendentes de uma das matrizes formativas.

Mais que uma simples etnia, o Brasil é uma etnia nacional, um povo-nação, assentado num território próprio e enquadrado dentro de um mesmo Estado para nele viver seu destino. Ao contrário da Espanha, na Europa, ou da Guatemala, na América, por exemplo, que são sociedades multiétnicas regidas por Estados unitários e, por isso mesmo, dilaceradas por conflitos interétnicos, os brasileiros se integram em uma única etnia nacional, constituindo assim um só povo incorporado em uma nação unificada, num Estado uniétnico. A única exceção são as múltiplas microetnias tribais, tão imponderáveis que sua existência não afeta o destino nacional.” – Darcy Ribeiro

Darcy Ribeiro é ainda mais enfático em sua Carta aos Moços:

“Meu apego apaixonado pela unidade nacional começa pela preservação desse território como a base física em que nosso povo viverá seu destino. Encho-me da mais furiosa indignação contra quem quer que manifeste qualquer tendência separatista. Acho até que não poderia nunca ser um ditador, porque mandaria fuzilar quem revelasse tais pendores.

É de lamentar, porém, que vez por outra surja, entre eles, uns idiotinhas alegando orgulhos de estrangeiridade. O fazem como se isso fosse um valor, mas principalmente porque estão predispostos seja a quebrar a unidade nacional em razão de eventuais vantagens regionais, seja a retornarem eles mesmos para outras terras, como fizeram seus avós. Afortunadamente, são uns poucos. Com um pito se acomodam e se comportam.” - Darcy Ribeiro.

A defesa de identidades locais é completamente incongruente para quem quer que se diga nacionalista, antes é a negação da nacionalidade, além de incompatível com a centralização Castilhista, ou mesmo para aqueles que defendam um Estado no molde fascista. Caso ilustrativo, foi o de Otho Strasser, que lançou essas idéias no seio do partido nazista, rejeitadas por Hitler, razões que culminaram no seu assassinato.


Artigos Correlatos:

1.Identidade e Formação da Nacionalidade Brasileira.


sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Exegeses De Adriano Benayon Sobre O Golpe Em Curso No Brasil.

Segue alguns apontamentos dos últimos artigos do ex-diplomata, economista e Profº Adriano Benayon, falecido em abril desse ano de 2016, sobre o golpe em curso no Brasil:

3. Não desminto a responsabilidade da atual chefe do Executivo (Dilma), nem a do ex-presidente Lula, em alguns dos fatos que têm sido difundidos e magnificados pelos mentores do processo de desestabilização daquela e de desmoralização deste.
4. Entretanto, não se deve ignorar que esse processo é patrocinado e teleguiado do exterior,  e que seu objetivo está longe de ser o bem do País. Muito pelo contrário.
5. Ele ganha corpo, desde o mensalão, julgado  no STF em 2012, e as manifestações de 2013, para as quais foram divulgados os abusos nas despesas superfaturadas e desnecessárias da construção de estádios e realização de obras para a Copa do Mundo de 2014.
6. Há corrupção em tudo isso, como também nas relações das empresas de engenharia com a Petrobrás.  Mas isso ocorreu, em dimensões até maiores, em administrações do PSDB e outras, sem que fosse deblaterado pela mesma mídia que vergasta os petistas. Mais grave, ainda: sem que sofra repressão do Ministério Público, da Polícia Federal ou do Judiciário.
17. Em artigo de 15.03.2016 -  A  Lavajato quer tirar Brasil do BRICS e CELAC – Beto Almeida observa que os governos petistas retomaram   políticas valiosas para a economia e a defesa nacionais,  que remontam a medidas do presidente Geisel (1974-1978):  apoio às empresas de engenharia nacionais, que – graças ao poder de compra de Petrobrás - desenvolveram capacidade competitiva em obras no exterior.
18. Recorde-se Henry Kissinger: “Não podemos tolerar o surgimento de um novo Japão no Hemisfério Ocidental.” O  império assegurou seu objetivo, desde agosto de 1954, fazendo o Brasil entregar, com subsídios, às empresas transnacionais o grosso dos mercados da indústria, iniciando a desnacionalização da economia brasileira.
19. Atualmente, com a Lavajato, o império anglo-americano faz demolir as empresas nacionais que sobreviveram à inviabilização, pela política econômica, de atividades de elevado valor agregado.

15. [...] a desestabilização do PT decorre de coisas como estas:
1) dos ganhos que os mentores do golpe pretendem auferir, atribuindo só à mais recente administração desgraças que decorrem principalmente de deformações estruturais gestadas ao longo dos últimos 62 anos;
2) ter feito investimentos em áreas estratégicas, como petróleo, defesa, apoiado empresas brasileiras em obras e no exterior e se aproximado dos BRICS.

17. fazendo justiça a Lula, no primeiro mandato, tomou medidas favoráveis à economia e deteve temporariamente a destruição da Petrobrás, encetada por FHC, desde a Lei 9.478/1997 e a infiltração de agentes de interesses externos na na ANP e na estatal.
18. Lula chegou a pôr em posições executivas da Petrobrás, técnicos, como Guilherme Estrella e Ildo Sauer, que dirigiram as descobertas das grandiosas reservas do pré-sal, além de ter conseguido aprovar a Lei que instituiu regime especial para a exploração dessas reservas.
19. Mas a qualidade das administrações da Petrobrás voltou a deteriorar-se sob Dilma, com Graça Foster e muito mais com o atual Bendine, que só parece pensar em liquidar a empresa.
21. Então, é desastrosa a atuação da presidente Dilma, em áreas cruciais como o petróleo e a eletricidade, em manteve o sistema de caos programado, instituído por FHC, e acabou tornando a Eletrobrás praticamente falida? Sim.
22. Entretanto, constatar esses fracassos não leva a concluir que a devastação do patrimônio do País não será ainda mais incrementada, se o Executivo for assumido por qualquer dos opositores.

Em seu último artigo, publicado em 05 abril, “Antecedentes da enganação”, Dr. Adriano termina com uma nota sobre a votação ocorrida na câmara no processo do Impeachment contra a presidente Dilma Rousseff:

“O que mais impressionou, afora a ignorância de tantos representantes da prostituição política reinante, foi o cinismo: enrolados na bandeira pátria, gritando 'Viva o Brasil!', enquanto aceleram a demolição do pouco que falta para completar a alienação da soberania nacional, operada de 1954 até hoje... O império angloamericano vale-se de irrecuperável regime político, formado e controlado por ele, e colhe mais frutos dos investimentos em ignorância e corrupção que realiza, há mais de 70 anos, no País.” - Adriano Benayon.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

O Atual Fenômeno da Imigração Mulçumana

Em uma entrevista do imam de uma mesquita da cidade de Colonia na Alemanha, Sami Abu-Yusuf para o canal russo REN TV, sobre os acontecimentos em Colonia, envolvendo imigrantes islâmicos em casos de estupros e assédios sexuais. O imam disse que: “Os eventos da véspera de Ano Novo foram culpa das próprias mulheres, pois elas estavam seminuas e usando perfume. Não é surpresa que os homens quiseram atacá-las. [Se vestir desta forma] é como jogar lenha na fogueira”.

O tom da reportagem é revelador, O repórter diz que estava se tornando difícil dizer se a Alemanha pertence aos alemães ou aos muçulmanos. Disse ainda que os casos de assédio sexual não passaram de um presságio de algo muito maior, que está por vir.

A reportagem ao entrevistar um policial menciona ainda que os imigrantes não vão para a Alemanha em busca de uma vida melhor; eles vêm em grupos com o objetivo de se incorporar ao crime organizado.



Esse fenômeno imigratório não nos é tão distante. Em meados da década de 60, quando eclodiu os movimentos comunistas em Angola, Moçambique, Congo e em menor intensidade em outros locais da África. Uma estratégia que a CIA lançou mão, foi a difusão do islamismo na África Austral, com fito de barrar o avanço comunista. A mencionar também que quem fomentou os surgimento de grupos radicais islâmicos, inexistentes até antes da II Guerra, foi a própria CIA.

Embora se sustente que a imensa maioria dos mulçumanos são pacíficos. O caso é que a estrutura e a pluralidade dessas seitas, tornam as comunidades mulçumanas terreno fértil para o fanatismo político quando convenientemente manobrado para esse fim. Sem uma estrutura central que coiba o aliciamento por grupos externos, ao mesmo tempo que gozam de ampla autonomia sem qualquer vinculo com o país ou uma entidade central, os membros e seus líderes religiosos, tornam-se facilmente cooptáveis por agencias estrangeiras quando interessadas em desestabilizar o país.

São fartos os casos no mundo árabe, bem como nos países em que houve o estabelecimento de comunidades mulçumanas. A Albania comunista, empreendeu uma guerra sem tréguas aos mulçumanos lá presentes, tão nocivos foram, motivo de constante agitação na vida nacional. Como na França, que de longa data tem uma numerosa comunidade mulçumana vivendo uma vida a parte do corpo nacional. A Rússia com os mulçumanos do cáucaso.... e por assim, incapazes de se integrarem a vida nacional.

A desestabilização dos países árabes e a imigração artificial, fomentada por organismo vinculados a agencias de inteligencia, visam claramente plantar células nos países de destino. Ligando esses grupos ao tráfico de drogas e diversas outras atividades ilícitas podendo fazer uso delas quando lhe convir para desestabilizar governos. E mesmo passar a ter peso político, em países que enventualmente tenham ou venham a ter uma comunidade mulçumana numerosa. Caso tanto da França como da Alemanha (lembrar que o maior contingente imigratório da Alemanha é turco).

No Brasil é especialmente preocupante o crescente, e já estabelecida, comunidade mulçumana em Foz do Iguaçu-PR, local estratégico e de intensa atividades ilícitas. E com atuação, já publicitada pela própria ABIN, da CIA na região. Mais uma vez deve ficar claro que embora os EUA digam combater grupos extremistas, são na verdade eles, seus principais financiadores, caso patente do ISIS.

Assim temos a infiltração de elementos desestabilizadores, ligados a agencias estrangeiras, ao mesmo tempo que esses grupos, apesar de viverem uma vida a parte, passam a influenciar politicamente o país em que estão estabelecidos, em um ambiente alheio, que assim florescem como sementes do mal.